FIEP Brasil

Notícias

Traduzir   Contraste   A+

Educação Física no Combate ao Câncer de Mama

(Publicado em 12 de agosto de 2011)

De acordo com as estimativas do câncer no Brasil para os anos de 2010/2011, o Câncer de Mama será o de maior incidência entre as mulheres, representando cerca de 22% dos novos casos de câncer feminino no Brasil, informam ainda que essa neoplasia apresenta maior aparecimento em mulheres com status social mais alto, acreditamos que isso deve ocorrer possivelmente por um aumento no nível de sedentarismo dessas mulheres pós menopausa.

A obesidade é reconhecida como fator de risco para diversas doenças crônico-degenerativas e cardíacas, diabetes e osteoporose e no risco do câncer de mama (HEYWARD, 2005). De acordo com ROSA ET AL. (2010), 28% dos casos de câncer de mama poderiam ser evitados com dieta saudável e atividade física regular Segundo KUMAR ET AL (2005), a obesidade está relacionada com maior conversão da androstenediona (em mulheres pós-menopausa) em estrona no tecido adiposo e consequentemente maior concentração de estrógeno livre, afirma ainda que estudos mais recentes apresentam dados que relacionam a obesidade andróide (gordura que se acumula na região abdominal), predispõe a mulher a desenvolver câncer de mama e apontam a relação entre IMC, perfil antropométrico e estilo de vida desse grupo de pacientes com câncer.

Buscando a prevenção da doença, vários estudos foram conduzidos tentando estabelecer uma relação entre excesso de peso, distribuição da gordura corporal, câncer de mama e atividade física.

Três de quatro estudos observacionais demonstraram que mulheres que se exercitam regularmente têm circulação 15 a 25% mais baixa de estrona e concentrações de andrógenos em comparação com mulheres sedentárias, embora outro estudo não encontrou tal associação. (KUMAR ET AL, 2005).

Para FRASSON ET Al. (2009), a relação entre obesidade e câncer de mama reside no fato de que os níveis de estrógeno são mais elevados em mulheres obesas principalmente depois da menopausa. Outro dado importante citado pelo autor é de que após a menopausa a produção do estrógeno é interrompida nos ovários, porém acabam sendo produzidos através da conversão dos andrógenos pela enzima aromatase, ou seja, quanto maior o tecido adiposo maior a produção, colaborando dessa forma para o crescimento dos tumores.

Estudos de McArdle e Katch (1996) afirmam que a auto-estima das mulheres submetidas a cirurgia, é maior em praticantes de atividade física, o que nos leva a crer que a Educação Física poderá contribuir com a prevenção e recuperação da doença. A pergunta é: Estamos preparados?