FIEP Brasil

Notícias

Traduzir   Contraste   A+

Uma Entrevista com o Prof. Nelson Schavalla

(Publicado em 8 de novembro de 2011)

1 – “O Tchoukball é principalmente um esporte de inclusão. Quais resultados você já presenciou dentro da modalidade que incentivou ainda mais essa ação”?

R – Desde quando iniciamos dentro da escola pública estadual, os resultados foram muito gratificantes, pois a euforia dos alunos em participar com os seus colegas de turma, seu professor ou ainda os seus pais, independente de idades, porque fazia parte das Olimpíadas da escola e todos participavam ativamente realizando uma verdadeira integração social dentro da quadra.

Aplicamos também este projeto em bairros considerados violentos em todos os sentidos, e com enorme satisfação o Tchoukball foi aceito sem nenhuma violência durante 15 dias consecutivos realizando verdadeiros shows na terra batida, aonde foi realizado, portanto aprovado que é um esporte que pode ser jogado em qualquer local independente do piso, um esporte barato, com grandes resultados sociais, em todos os sentidos.

2 – “Como você tem visto o crescimento desse esporte no Brasil”?

R – Muito gratificante, pois estamos agora, fechando mais uma região do Brasil, juntamente com o Projeto Professores de Educação Física Sem Fronteiras da FIEP Brasil, que com orgulho faço parte e já fizemos Região Norte em 2008, Região Nordeste I – em 2009 e agora Região Nordeste II – 2010, Centro – Oeste 2011, além disto, já fizemos toda a América Central em 2007, América do Sul, Agora recentemente no México,enfim, a cada dia que passa mais e mais pessoas estão aderindo o nosso Esporte, atualmente um sucesso mesmo, me sinto orgulhoso, porém com mais responsabilidades ainda, em poder levar este com a filosofia do seu idealizador o Suíço Dr. Hermann Brandt, como bem preconizou, até ganhando o Prix – Thulin, um reconhecimento merecido, através da FIEP, Ganho em 1970 em Lisboa – Portugal.

3 – “Um dos maiores adversários de alguns esportes com certeza é o patrocínio. Como essa nova modalidade tem encarado esse desafio”?

R – Realmente é muito difícil, no Brasil só o Futebol existe, mas estamos com muito trabalho e aguardando um “Anjo Paitrocinador”, para que possamos ainda mais levar esta fantástica modalidade a todo o nosso querido Brasil, para a juventude ter mais uma opção saudável desportiva e inclusiva.

Temos a oferecer um projeto seguro de qualidade com um diferencial para os dias de hoje, “Sem Violência e para Todos”, empresário venha somar conosco.

4 – “Quais as principais técnicas do Tchoukball”?

1 – Individual:

– domínios da bola quando de posse dela,
– domínio de espaço dentro da quadra,
– posições de recepção e passes seguros,
– coordenação óculo manual aos arremessos ao quadro de remissão (tabela alvo).

2 – Coletivo:

– Saber se Posicionar em um sistema tático, se for à defesa, percepção do ângulo que a bola vai retornar após arremesso executado pala equipe oponente,
– Se for ao meio de quadra, percepção de defesa em segunda bola, portanto fechando os espaços que sobram da primeira defesa,
– Se for atacante, saber perceber o melhor posicionamento em relação a bola que irá receber de seus companheiros e executar o arremesso com sucesso, portanto fazendo o ponto no ataque para sua equipe.
– Se estiver no banco de reservas, prestarem atenção tempo todo na quadra a fim de que no momento a se incorporar mudar a situação positivamente para sua equipe.

5 – “Como você avalia a arbitragem dentro do Tchoukball?Estão preparados para um forte crescimento desse esporte no Brasil”?

R – Ainda Não! Mas temos incentivado aos jovens a fazer o curso dentro do possível, estamos a disposição e preparado para realizar estes cursos e claro torneios, festivais, eventos diversos a fim de oferecer toda a estrutura da modalidade.

6 – “O que te motivou a conhecer de perto esse interessante esporte”?

R – Realmente a filosofia, de competir sim, mas com espírito do Fair – Play (jogo limpo), um esporte altamente competitivo, plástico, dinâmico sem violência e para todos, “Um Esporte Sem Fronteiras mesmo!!’.

7 – “Teve dificuldades para trazer o esporte ao Brasil e assim ajudar em sua difusão”?

R – Sim, as dificuldades no início foram muitas, mas com o apoio incondicional da Federação Internacional de Educação Física (FIEP), através de seus Presidentes, Prof.Dr. John Andrews, Prof.Dr. Manoel Gomes Tubino, atualmente Prof.Almir Gruhn, nos oportunizando todos os espaços a disposição e claro com nosso empenho vêm realizando esta difusão fantástica da modalidade no Brasil e fora dele também. Para tanto agradecemos os Ex-Presidentes, aos Delegados e aos Profissionais ligados a nossa querida família Fiepiana, em especial o atual Presidente, Professor Almir Gruhn, o Brasileiro de Foz do Iguaçu Pr, em nos oportunizar fazer parte da delegação quando da visita a Europa em especial em Paris, na residência do inesquecível Presidente Professor Dr. John C. Andrew, (in-memorian) para trazer os compêndios publicados do esporte como a cópia do projeto do Dr. Hermann Brandt, que utilizei em meus estudos mais aprofundados da modalidade em Monografia Pós-Graduação em 1998.

8 – “Já na área de educação. Você tem conhecimento se algumas faculdades ou universidades aqui no Brasil já estão incluindo em suas grades o conceito dessa modalidade”?

R – Estamos agora recebendo muitas solicitações neste sentido, pois recentemente as grades foram alteradas conforme novas legislações acreditam que vamos logo relatar muitas a aplicarem como integrante da grade curricular. Tenho apresentado em muitas Faculdades e Universidades como frisei anteriormente nas nossas viagens com “Os Sem Fronteiras FIEP Brasil”. Estamos a disposição destas entidades a fim se for o caso apresentar como pode ser implantado o Tchoukball o Esporte da Paz, dentro da sua comunidade e levar em forma de projetos especiais aos públicos diversos.

9 – “O que um atleta de Tchoukball precisa para desenvolver dentro da modalidade”?

R – Somente a disposição de estar dentro da quadra, pois o esporte é de fácil assimilação, com treinamentos todos, terão sucesso, mesmo porque a sua satisfação em jogar, se satisfazer suas necessidades físicas e psíquicas levando como um estilo de vida saudável para toda a sua vida onde é que ele esteja.

10 – “Mesmo sendo um esporte novo, fale sobre seus futuros planos e objetivos a serem alcançados dentro Tchoukball”.

R – Já não tão novo assim, pois ele foi idealizado em 1970, mas realmente é considerado novo, portanto acredito num futuro próximo, sua difusão em todo o Brasil, nas escolas de todos os níveis, universidades, enfim realizar encontros inter – escolares, jogos regionais, e torneios nacional e Internacional, Com muitos clubes, que estamos estimulados a se organizarem. Entrem em contato conosco temos sugestões neste sentido ou ainda para aquisição dos quadros de remissão (Alvos) e também elaborar projetos especiais onde é que você esteja. Viva na quadra esta nova sensação, O Tchoukball – Esporte considerado da PAZ.

11 – “Qual é o maior beneficio em sua opinião que o atleta encontro dentro do Tchoukball”?

R – Sua realização Pessoal, sua participação independente de ser campeão ou não, participar dentro da quadra com todas as possibilidades de jogar e se integrar sem descriminação. Para os jovens, o respeito aos Direitos da Criança no Esporte (Manifesto FIEP – 2000).

12 – Agradeço a oportunidade, me coloco a disposição, se for o caso mais detalhes, se necessitar acrescentar ainda mais vejam em:

www.tchoukball.com.br
E-mail: schavalla@qualinet.com.br
Orkut: tchoukballpr@yahoo.com.br
Profissional de Educação Física
Pioneiro da Difusão do Tchoukball no Brasil desde 1986.